Para entender o mercado de pilates no Brasil, podemos afirmar que já é uma realidade em nosso país, consolidado e que recebe cada vez mais praticantes, vem se instalando nos mais variados locais, sejam eles condomínios, academias e principalmente em locais específicos para a prática (chamado stúdio pilates), em sua composição principal, estão presentes os aparelhos Cadillac, Reformer, Barrel e Chair, o que acaba sendo o mais atraente e o mais procurado.

Nota-se que de 2014 para cá, o público masculino cresceu notoriamente, motivado em sua grande maioria por recomendações médicas para tratamentos pós cirúrgicos (causados em sua maioria por acidentes motociclísticos e esportivos), ou mesmos preventivos, neste caso, se tratando de dores crônicas e posturais. O que até então era quase que exclusividade do público da melhor idade, passou a somar nestes, fortemente mulheres, a partir dos 30 anos de idade. E como citado, temos o que eu sinalizaria como um terceiro grupo, o masculino, também nesta faixa, a partir dos 30, e estes em grande número, dividindo a sala com mulheres e os “jovens” da melhor idade. Percebemos aí o potencial de alcance desta espetacular modalidade chamada Pilates.

Estima-se que hoje existem mais de 15 milhões de pessoas praticantes de pilates em todo o mundo, em sua maioria sendo representados por grupos de classes A e B, com uma população ganhando força representando o que seria a classe C. A idade dos praticantes está na casa de 25 a 55 anos de idade. Segundo dados da Sporting Goods Manufacturers Association (Associação de Fabricantes de Produtos Esportivos), só nos Estados Unidos, o número de praticantes de Pilates aumentou 471% entre 2000 e 2008.

No Brasil não existem dados precisos sobre o número de praticantes do método Pilates e nem da quantidade de estúdios, já que ele pode estar vinculado em academias de ginásticas, clínicas de reabilitação ou somente o estúdio. Segundo a ACAD, Associação Brasileira de Academias, existem 33.157 academias em todo o Brasil com cerca de 8 milhões de alunos, de acordo com o levantamento realizado em 2014. O Brasil é o segundo país em número de academias, perdendo apenas para os Estados Unidos, o maior do setor na América Latina. Se antes a atividade física era quase que exclusividade de entusiastas da boa forma, hoje questões como qualidade de vida, saúde e bem-estar são prioridades na vida da população.

Outro dado bem relevante, que reforça ainda mais toda a força, solidez e credibilidade do Pilates, podemos constatar não somente no grande número de profissionais no país (segundo a VOLL Pilates, o número de novos profissionais lançado no mercado brasileiro anualmente está na casa de 20 mil), mas fortemente no campo de busca do Google, por exemplo. No site de busca “Google”, em pesquisa com a palavra “Pilates”, em 11 de outubro de 2009 foram registradas 288.000 páginas, já em 2021, a mesma busca registra 288.000.000.

Portanto não restam dúvidas, seja para quem deseja investir e abrir o próprio estúdio, sejam para os já praticantes ou futuros adeptos, a modalidade é de fato uma excelente e agradável escolha, que trata, protege e entrega resultados, tanto no campo business, como no campo da saúde, qualidade de vida, bem-estar, e é claro, estético.