Festas de final de ano passadas, sabemos que é comum nos depararmos com alto volume de comidas e bebidas das quais vimos com pouca ou nenhuma frequência em nosso dia a dia. Ainda mais comum são os abusos, e o mais agravante, drástica queda no volume de água ingerido, comprometendo grandemente a hidratação do nosso corpo.

Mais grave ainda para aquelas pessoas que possuem um estilo de vida ativo, com prática regular de atividade física, essas pessoas naturalmente já possuem como hábito o consumo regular de água, e por isso, cometer este deslize pode significar prejuízos ainda maiores.

É claro que a tarefa não é das mais fáceis, o momento foi pontual e se torna até certo ponto importante nos deixar levar e apreciar todo este momento especial, ainda mais dentro deste contexto de pandemia que ainda estamos passando.

Em linhas gerais, em nosso dia a dia mesmo, é necessário manter perto de você aquele squeeze, sempre abastecido obviamente, e não deixar de beber, frequentemente, “a nossa” tão querida e importante, ÁGUA!

E para esclarecer um pouco mais, compartilho com vocês 6 motivos falando sobre a importância:

1) Raciocínio rápido e bom humor, como qualquer outra célula, os neurônios precisam de água. O abastecimento adequado é crucial para eles se manterem conectados, transmitindo seus impulsos. Se fica a desejar, o raciocínio e o humor sofrem as consequências.

2) Músculos fortes, o mecanismo de contração e relaxamento depende do volume hídrico nas fibras musculares. Se elas ficam murchas, lá se vai o vigor, isto é, falta força para correr, erguer pesos e para bater, no caso do músculo cardíaco.

3) Rins livre de pedras, beber muita água é uma ótima estratégia para prevenir os cálculos renais. Quanto maior a fluidez do líquido filtrado pelos rins, menor a probabilidade de a urina concentrar partículas sólidas que, agrupadas, dão origem às pedrinhas.

4) Intestino regulado, garantir a cota diária de água dá um empurrão no trânsito intestinal e evita a prisão de ventre. A água não só deixa o bolo fecal mais pastoso como estimula os movimentos peristálticos que o mandam embora do corpo.

5) Pulmões livres de bactérias, a última fração da árvore respiratória, que corresponde aos alvéolos, precisa estar bem hidratada para que a difusão do oxigênio aconteça da melhor maneira. Sem contar que uma boa umidade nas vias aéreas reduz o risco de infecções.

6) Circulação sanguínea em ordem, um volume satisfatório de água viajando pelos vasos garante que todo o organismo seja irrigado e bem nutrido de sangue. A desidratação torna o líquido viscoso e favorece a queda da pressão arterial, ameaçando vários órgãos.